segunda-feira, 26 de junho de 2017

O litoral desconhecido

Junho é o mês ideal para as primeiras deslocações à costa. O destino é para leste, rumo a Constanța, cidade portuária e porta de entrada para o litoral romeno. Com os seus parcos 275 quilómetros de linha costeira junto ao Mar Negro, a (pouca) fama da Roménia enquanto destino balnear assenta essencialmente na sobreocupada Mamaia, e nas jovens e festivaleiras Costinesti e Vama Veche. Mas para além destes destinos, a costa da Roménia tem também outras localizações menos conhecidas, menos visitadas, e onde o tempo parece ter parado. Menos turismo, menos movimento, estâncias algo decadentes, pontuadas por edifícios de arquitetura austera do período comunista, alguns já tomados por sinais de degradação, mas que resistem estoicamente como postais evocativos de tempos de outra glória. Estamos em Olimp, uma das estâncias turísticas que evoca a mitologia grega, mas que em nada faz lembrar a casa dos deuses.

Olimp, com vista parcial sobre o complexo de hotéis Belvedere-Amfiteatru-Panoramic, parcialmente votado ao abandono.

Para sul, até Mangalia, estendem-se outras quatro estâncias mitológicas de semelhante cenário - Neptun, Jupiter, Venus e Saturn. Dados os nomes, que tanto podem ser associados à mitologia grega como à astronomia, poderia dizer-se que estas estâncias turísticas são de outro mundo, e acredito que o tenham sido no auge do regime comunista. Agora são apenas uma pálida lembrança do que já foram, mas não deixam de constituir uma viagem no tempo e um prato cheio para quem gosta de história e arquitetura, ao mesmo tempo que permitem usufruir da praia sem o bulício das estâncias mais movimentadas.

Hotel em Neptun, um exemplo da austeridade e simplicidade arquitetónica do modernismo soviético.

Praia em Neptun.

Qualquer deslocação ao litoral tem de passar, quase obrigatoriamente, por Constanța. Terceiro verão na Roménia, terceira visita à cidade, mais uma fotografia do icónico Casino.

Sem comentários: