segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Um dia na Transilvânia

Dito e feito. No post anterior referi que no fim-de-semana poderia ir até algum lado. No domingo às 8 e pouco da manhã estava na Gara de Nord, pronto a apanhar um comboio. O destino: Sinaia, pitoresca cidade da Transilvânia situada nos Cárpatos, a pouco mais de uma centena de quilómetros da capital. O plano inicial passava, mais uma vez, por ir a Braşov, e mais uma vez a ida a esta cidade ficou adiada. A ver se à terceira será de vez.
Mas bem, Sinaia. Depois de um passeio pela central Bulevardul Carol I, e de uma breve passagem pelo pequeno mas acolheror Parcul Ghica, que engloba o Casino, e um pequeno memorial dedicado aos soldados que morreram por estas paragens durante a I Guerra Mundial (1916-1918), surge o imponente Mosteiro de Sinaia. Fundado em 1695, o mosteiro vai buscar o nome ao bíblico Monte Sinai, sendo daí que deriva a toponímia da cidade.
Continuando para fora de Sinaia por um caminho de terra, em contacto com a natureza e com dezenas de barraquinhas que vendem artesanato e outras bugigangas, encontra-se a principal atração das redondezas: o Castelo de Peleş.
Inaugurado em 1895, este castelo que na realidade é um palácio foi construído por ordem do rei Carol I, para servir como residência de verão da família real, em estilo neorrenascentista a fazer recordar ao monarca da Roménia as suas raízes germânicas. Por falar nisso, tenho de estudar melhor a história deste país, pois continuo sem perceber porque caraças entregaram o trono romeno a um príncipe alemão. Anyway, este castelo/palácio é bem porreiro, e deu-me umas ideias para quando um dia ganhar o Euromilhões e quiser construir uma casita. Esta é uma delas...


Depois de visitado o castelo, passei pela minha primeira experiência de hitchhiking, para ir até à vizinha localidade de Buşteni. A bem dizer foi semi-hitchhiking, até porque nem fui eu que pedi boleia, mas um dia destes hei-de ganhar coragem para pôr o polegar em riste, e fazer hitchhiking a sério.
Quanto a Buşteni, pouco vi porque já se fazia tarde. Rodeada pelos montes Bucegi, a cidade é dominada pela Crucea Eroilor, uma enorme cruz que se ergue a 2300 metros de altitude, em homenagem aos combatentes da Primeira Grande Guerra. Um dia, com mais tempo, hei-de lá ir acima. Para já, foi apenas uma one-day-trip à base das montanhas, e já foi bom. Para acabar o dia, jogámos Monopoly na estação de Buşteni enquanto aguardávamos por um comboio que chegou com 80 minutos de atraso.
Ficam algumas fotografias desta viagem.

 Mosteiro de Sinaia

 Castelul Peleş

Pôr do Sol em Buşteni

Entretanto, pedi dois dias de férias para juntar ao último fim-de-semana de Setembro, e assim viajar até algum lado. Budapeste está na pole position. Antes disso, há planos para fazer a Transfăgărășan, ir a Braşov (finalmente) e a Urziceni. Cá darei conhecimento se e quanto esses planos se materializarem.

Sem comentários: