domingo, 10 de maio de 2015

Planeta Musical: Finlândia x4

Enquanto conto os dias para me meter num avião e por-me a andar para Bucareste, e à falta de novidades para atualizar isto, venho deixar umas recomendações musicais a quem quer que aqui venha parar. E 2015 está a ser particularmente profícuo em bons álbuns, pois quatro das minhas bandas de eleição, todas elas oriundas da Finlândia, lançaram coisas novas este ano. Podia dedicar um post a cada uma, mas prefiro despachar já tudo de uma vez, de forma resumida. Ora então...

Nightwish - Endless Forms Most Beautiful

Começo pelo álbum mais aguardado. O novo trabalho da banda de Tuomas Holopainen, inspirado na teoria evolutiva de Charles Darwin, e que marca a estreia da holandesa Floor Jansen como lead vocalist.
A ex-vocalista de After Forever já dera, nos diversos concertos, uma amostra positiva das suas potencialidades, usando da versatilidade que a caracteriza para se adaptar às composições talhadas para as suas antecessoras Anette Olzon e Tarja Turunen (como se pode ver no concerto da banda no Wacken Open Air de 2013, que deu origem ao live album Showtime, Storytime). Agora, com Holopainen a compor especificamente para Jansen, as expectativas estavam altas. E a verdade é que este Endless Forms Most Beautiful não desilude, e é, para mim, o melhor álbum do ano até ao momento. Quando o distinguir com o prestigiante galardão de "álbum do ano para o Planeta FG", como deverá acontecer, falarei melhor nele. Para já, fiquem com a primeira faixa.





Apocalyptica - Shadowmaker

Sobre este álbum, não tenho muito a dizer. A banda de Helsinki, que começou por ser essencialmente instrumental, já se vinha estragando com os vocalistas convidados nos últimos álbuns, e agora consumou o estrago definitivo, ao integrar Franky Perez como vocalista efetivo. Este Shadowmaker é, por isso, bastante fraquinho, e um enorme downgrade na qualidade da banda. A não ser quando põem o novo recruta de lado por um bocadinho, e deixam cantar os violoncelos. Aí sim, volta um pouco dos bons velhos Apocalyptica. E foi isso que Toppinen, Kivilaakso, Lötjönen e Sirén fizeram, na intro I-II-V Seed Of Chaos, e nas faixas Riot Lights, Reign Of Fear e 'Till Death Do Us Part. Recomendo particularmente esta última, que podem ouvir aqui em baixo.





Korpiklaani - Noita


O clã da floresta de Jonne Jarvela lançou este mês mais um álbum para os compêndios do folk metal, o nono da banda de Lahti. Chama-se Noita, e não é mau. Começa com três faixas bem conseguidas (Viinamäen Mies, Pilli On Pajusta Tehti e Lempo), mas a partir daí reforça a ideia que os melhores tempos do grupo já lá vão, o que já se vinha notando nos álbuns mais recentes. Spirit Of The Forest, Voice Of Wilderness e Tales Along This Road ficaram mesmo lá atrás. Ainda assim, vale a pena pelas cantigas que referi. Deixo a primeira, Viinamäen Mies (aviso: isto é tudo cantado numa língua incompreensível, chamada finlandês).




Ensiferum - One Man Army

Por último, Ensiferum. Mais uma banda da bela cidade de Helsinki, que entrou para a minha playlist há relativamente pouco tempo. O conjunto de Markus Toivonen acaba de lançar o seu sexto álbum, One Man Army, que embora esteja longe da qualidade de um Iron ou From Afar, merece uma menção e uma audição. Fiquem com a minha personal favourite, Two Of Spades.




Sem comentários: